Dados de acesso incorretos.

Saiba Mais

BOLETIM INFORMATIVO “SAIBA +”

 

Querida família,

 

A situação que se apresenta em decorrência da pandemia da COVID-19 não encontra precedentes na história mundial do pós-guerra. Segundo a UNESCO, milhões de estudantes estão sem aulas com o fechamento total ou parcial de escolas e universidades em mais de uma centena de países devido à pandemia de coronavírus. No Brasil, as aulas presenciais estão suspensas em todo o território nacional.

Este complexo contexto tem provocado a necessidade urgente de readequações em vários setores, inclusive na área educacional:

o Em 18 de março de 2020, o Conselho Nacional de Educação (CNE) veio a

público elucidar aos sistemas e às redes de ensino, de todos os níveis, etapas e modalidades, considerando a necessidade de reorganizar as atividades acadêmicas por conta de ações preventivas à propagação da COVID-19; o Em decorrência deste cenário, os Conselhos Estaduais de Educação de

diversos estados e vários Conselhos Municipais de Educação emitiram resoluções e/ou pareceres orientativos para as instituições de ensino pertencentes aos seus respectivos sistemas sobre a reorganização do calendário escolar e uso de atividades não presenciais; o Em 1º de abril de 2020, o Governo Federal editou a Medida Provisória no 934 que estabelece normas excepcionais para o ano letivo da educação básica e do ensino superior decorrentes das medidas para enfrentamento da situação de emergência de saúde pública de que trata a Lei no 13.979, de 6 de fevereiro de 2020; o Em 3 de abril de 2020, o MEC publicou a Portaria no 376 que dispõe sobre as aulas nos cursos de educação profissional técnica de nível médio enquanto durar a situação de pandemia da COVID-19. Em caráter excepcional, a portaria autoriza as instituições integrantes do sistema federal de ensino quanto aos cursos de educação profissional técnica de nível médio em andamento, a suspender as aulas presenciais ou substituí-las por atividades não presenciais por até 60 (sessenta) dias, prorrogáveis a depender de orientação do Ministério da Saúde e dos órgãos de saúde estaduais, municipais e distrital; o Após o pronunciamento dos órgãos competentes, optou-se por adotar o sistema de aulas na modalidade domiciliar/ remota pelo prazo em que se justificar a suspensão das aulas presenciais, como sugerem os conselhos estaduais de educação e o Ministério da Educação; o Em virtude da situação de calamidade pública decorrente da pandemia da COVID-19, a Medida Provisória no 934/2020 flexibilizou excepcionalmente a exigência do cumprimento do calendário escolar ao dispensar os estabelecimentos de ensino da obrigatoriedade de observância ao mínimo de dias de efetivo trabalho escolar (200 dias), desde que cumprida a carga horária mínima anual estabelecida nos referidos dispositivos (800 horas), observadas as normas a serem editadas pelos respectivos sistemas de ensino.

 

É importante que atentemos para algumas informações contidas na PROPOSTA DE PARECER SOBRE REORGANIZAÇÃO DOS CALENDÁRIOS ESCOLARES E REALIZAÇÃO DE ATIVIDADES PEDAGÓGICAS NÃO PRESENCIAIS DURANTE O PERÍODO DE PANDEMIA DA COVID-19, publicada pelo Conselho Nacional de Educação, sobre cada nível de ensino:

 

No caso da Educação Infantil, lê-se no documento:

 

Entre as diversas consultas encaminhadas a este CNE (Conselho Nacional de Educação) sobre a reorganização do calendário escolar, encontram-se diversas solicitações para que este egrégio Conselho se manifeste sobre as condições de atendimento da educação infantil, em razão da carga horária mínima obrigatória prevista na LDB (Lei de Diretrizes e Bases da Educação) e de não haver previsão legal nem normativa para oferta de educação a distância, mesmo em situação de emergência.

 Deve-se considerar que, para cumprir a carga horária mínima anual prevista na LDB, a simples reposição de carga horária na forma presencial ao final do período de emergência poderá esbarrar na indisponibilidade de espaço físico necessário e da carência de profissionais da educação para uma eventual ampliação da jornada escolar diária.

 Desta forma, para reduzir as eventuais perdas para as crianças, sugerese permitir a realização de atividades pedagógicas não presenciais enquanto durar o período de emergência, garantindo, assim, atendimento essencial às crianças e evitando retrocessos cognitivos, corporais (ou físicos) e socioemocionais, e prorrogar o atendimento ao fim do período de emergência acompanhando o mesmo fluxo das aulas da rede de ensino como um todo.

 Para realização de atividades pedagógicas não presenciais, sugere-se que as instituições de educação infantil possam elaborar orientações/sugestões aos pais ou responsáveis sobre atividades que possam ser realizadas com seus filhos durante o período de isolamento social.

 Deve-se, ainda, admitir a possibilidade de tornar o contato com os pais, tutores e responsáveis pelas atividades, mais efetivo com o uso de internet, celular ou mesmo de orientações de acesso síncrono ou assíncrono. A escola, por sua vez, deverá definir a oferta do instrumento de resposta e feedback. 

 Assim, para crianças de creche (0 a 3 anos), as orientações para os pais devem indicar atividades de estímulo às crianças, leitura de textos pelos pais, brincadeiras, jogos, músicas de criança.

 Já para as crianças da pré-escola (4 e 5 anos), as orientações devem indicar, da mesma forma, atividades de estímulo às crianças, leitura de textos pelos pais, desenho, brincadeiras, jogos, músicas de criança, filmes e programas infantis pela TV e até algumas atividades em meios digitais quando possível. Para tanto, seria possível passar o caderno de atividades, desenhos, brincadeiras, entre outras, para os pais desenvolverem com as crianças.

 

 No caso do Ensino Fundamental 1 (1º ao 5º ano), lê-se no documento:

 

Nesta etapa, existem dificuldades para acompanhar atividades on-line uma vez que as crianças do primeiro ciclo se encontram em fase de alfabetização, sendo necessária supervisão de adulto para realização de atividades. No entanto, pode haver possibilidades de atividades pedagógicas não presenciais com as crianças desta etapa da educação básica.

 

Para tanto sugerem-se aqui as seguintes possibilidades para que as atividades sejam realizadas:

 

o Aulas gravadas [...] pela escola de acordo com o planejamento de

aulas e conteúdos ou via plataformas digitais de organização de conteúdos; o Sistema de avaliação realizado a distância sob a orientação das escolas e dos professores e, quando possível, com a supervisão dos pais acerca do aprendizado dos seus filhos; o Lista de atividades e exercícios, sequências didáticas, trilhas de aprendizagem por fluxo de complexidade relacionadas às habilidades e aos objetos de aprendizagem; o Orientações aos pais para realização de atividades relacionadas aos

objetivos de aprendizagem e habilidades da proposta curricular; o Guias de orientação aos pais e estudantes sobre a organização das

rotinas diárias; o Sugestões para que os pais realizem leituras para seus filhos; o Utilização de horários de TV aberta para levar programas educativos compatíveis com as crianças desta idade e orientar os pais para o que elas possam assistir; o Elaboração de materiais impressos compatíveis com a idade da criança para realização de atividades (leitura, desenhos, pintura, recorte, dobradura, colagem, entre outros); o Distribuição de vídeos educativos (de curta duração) por meio de plataformas on-line, mas sem a necessidade de conexão simultânea seguidos de atividades a serem realizadas com a supervisão dos pais; o Realização de atividades on-line síncronas, regulares em relação aos

objetos de conhecimento, de acordo com a disponibilidade tecnológica; o Oferta de atividades on-line assíncronas regulares em relação aos conteúdos, de acordo com a disponibilidade tecnológica e familiaridade do usuário; o Estudos dirigidos com supervisão dos pais;

o Exercícios e dever de casa de acordo com os materiais didáticos utilizados pela escola; o Organização de grupos de pais por meio de aplicativos de mensagens

instantâneas e outros conectando professores e as famílias;  o Guias de orientação às famílias e acompanhamento dos estudantes.

 

 No caso do Ensino Fundamental 2 (6º ao 9º ano) e Ensino Médio, lêse no documento:

 

Nestas etapas, as dificuldades cognitivas para a realização de atividades on-line são reduzidas ao longo do tempo com maior autonomia dos estudantes, sendo que a supervisão de adulto para realização de atividades pode ser feita por meio de orientações e acompanhamentos com o apoio de planejamentos, metas, horários de estudo presencial ou online.

 

Aqui as possibilidades de atividades pedagógica não presenciais ganham maior espaço. Neste sentido, sugere-se:

 

  • Elaboração de sequências didáticas construídas em consonância com as habilidades e competências preconizadas por cada área de conhecimento na BNCC;
  • Verificar a possibilidade de se utilizar horários de TV aberta para levar

programas educativos compatíveis para adolescentes e jovens; o Distribuição de vídeos educativos (de curta duração) por meio de

plataformas on-line, mas sem a necessidade de conexão simultânea seguidos de atividades a serem realizadas com a supervisão dos pais; o Realização de atividades on-line síncronas de acordo com a disponibilidade tecnológica;

  • Oferta de atividades on-line assíncronas de acordo com a disponibilidade tecnológica; o Estudos dirigidos, pesquisas, projetos, entrevistas, experiências,

simulações e outros; o Realização de testes on-line ou por meio de material impresso a

serem entregues ao final do período de suspensão das aulas; o Utilização de mídias sociais de longo alcance (WhatsApp, Facebook, Instagram etc.).

 

 O que a Educação Adventista tem feito?

 

Para que o ano letivo transcorra sem prejuízo educacional, a Educação Adventista preparou rapidamente, num prazo de 72 horas, um AVA (ambiente virtual de aprendizagem), chamado E-CLASS, que já tem 351.952 aulas postadas até aqui, por meio de professores de nossa rede, em todo o território nacional, segundo dados do dia 14 de abril de 2020. O número de tarefas já postadas pelos alunos já se aproxima da marca de 4 milhões. Contratamos 20 grandes servidores para o armazenamento de dados do E-CLASS junto à AMAZON, nos Estados Unidos. Muito embora seja um investimento altíssimo, com pagamento em dólar, optamos por esta alternativa para que tenhamos a menor incidência possível de queda de sistema, uma vez que o fornecimento de internet no mundo está em seu limite máximo.

Além do E-CLASS, temos feito uso de outras ferramentas: CPB Provas (ambiente para realização de testes que já fazia parte dos serviços ofertados por nosso portal), grupo de WhatsApp para cada turma (para comunicação rápida com os pais e alunos) e Zoom Meeting (para a realização de aulas ao vivo e maior interatividade entre professores e alunos). Para que ninguém fique desatendido, meios alternativos para atendimento a alunos que não têm acesso à internet têm sido adotados por cada unidade escolar.

Nossos professores, à semelhança dos pais e alunos, também estão vivendo esse momento histórico e estão reunindo todas as forças para fazer o seu trabalho da melhor forma possível, para cumprir o plano de ensino programado. Esses profissionais têm mergulhado em um mundo novo, com câmaras, vídeos, ambiente virtual, um modelo de trabalho completamente diferente do usual. Embora não sejam youtubers, e nem queremos que o sejam, temos visto um trabalho dedicado, que tem ocupado horas adicionais de atividade, no esforço de fazer o melhor. Apoiem os professores de seus filhos e, se possível, de vez em quando, enviem uma mensagem de incentivo para eles, algo que será fundamental para que permaneçam firmes.

Para que o atendimento humanizado não se perca, além dessas ações acima descritas, temos mantido normalmente nossas reuniões de “capelas”, assim chamadas pelos alunos as reuniões gerais semanais, em que se discutem os temas transversais da educação. E uma novidade: temos realizado visitas on-line aos lares. E que experiência única tem sido essa! Temos visto alunos, pais e professores se emocionando nesses momentos tão especiais.

Enfim, esperamos que, pela graça de Deus, todos superemos esse difícil momento de distanciamento social. Pais, alunos e escola certamente sairão mais fortes e mais unidos.

Agradecemos profundamente aos 82% dos pais que avaliaram nosso trabalho até aqui favoravelmente em nossa pesquisa de satisfação. Esse reconhecimento nos dá energia para seguirmos fazendo mais e melhor, para que alcancemos também os demais pais, que ainda se sentem inseguros quanto a esse modelo de estudos que, embora não seja o dos nossos sonhos, é o único que temos à disposição ao redor de todo o planeta, visto que o ensino presencial se tornou uma impossibilidade.

 

Por que a Educação Adventista não deu férias para seus alunos?

 

Após nos aconselharmos com profissionais da área de gestão, pedagógica, de psicologia e saúde, bem como os pais de alunos, por meio de pesquisa de opinião, elaboramos alguns considerandos para embasarmos a decisão estratégica de mantermos as atividades letivas normalmente:

 

  1. Considerando que a Educação Adventista é uma rede internacional e que, no território brasileiro, montou rapidamente uma estrutura para o atendimento remoto aos seus alunos, diferentemente de boa parte das escolas ao nosso redor, que até agora lutam para organizar suas ações pedagógicas remotamente;
  1. Considerando que os alunos, em sua maioria, já entraram no ritmo do ensino remoto;
  1. Considerando que a probabilidade de as aulas presenciais retornarem após 30 dias é pequena;
  1. Considerando que os alunos poderão retornar, após 30 dias de férias, com seu ritmo de estudos minimizado substancialmente por falta a rotina letiva diária, ainda sob o sistema de aulas remotas (o que fará com que a participação efetiva dos alunos seja prejudicada);
  1. Considerando que ter nossos filhos por 30 dias sem atividades direcionadas em casa pode não ser o mais saudável para o momento;
  1. Considerando a PROPOSTA DE PARECER SOBRE REORGANIZAÇÃO DOS CALENDÁRIOS ESCOLARES E REALIZAÇÃO DE ATIVIDADES PEDAGÓGICAS NÃO

PRESENCIAIS DURANTE O PERÍODO DE PANDEMIA DA COVID-19, do Conselho

Nacional de Educação que, ao normatizar a reorganização dos calendários escolares para as instituições ou redes de ensino, o sistema de ensino deve considerar a previsão de períodos de intervalos para recuperação física e mental de professores e estudantes, prevendo períodos, ainda que breves, de recesso escolar, férias e fins de semana livres;

  1. Considerando que, na pesquisa de opinião dos pais, 62,29% se mostraram favoráveis à manutenção das atividades letivas.

 

Em seguida, apresentaremos importantes informações relativas ao transcorrer do segundo bimestre do ano letivo de 2020.

 

1. HORÁRIO DE ESTUDO

 

É importante que os pais direcionem as atividades de seus filhos de acordo com as orientações da unidade escolar, procurando organizar a rotina, para que nos horários de aulas (ao vivo ou postadas no E-CLASS) os alunos estejam presentes e, no momento das tarefas, os mesmos estejam comprometidos.

2. TRILHA DE APRENDIZAGEM

 

Sabemos que o ensino presencial e o domiciliar/ remoto têm características bem diferentes. É impossível realizar as atividades nesse período de pandemia de forma idêntica ao do ensino regular presencial. Assim, adotamos, como modo modelo principal de nossas ações pedagógicas, a trilha de aprendizagem.

Mas, o que é uma trilha de aprendizagem? É uma estratégia didática para desenvolver um estudo dirigido na modalidade domiciliar. O professor organiza uma sequência de ações para trabalhar o conteúdo previsto no projeto pedagógico para cada semana. Inicia com apresentação do conteúdo, segue para o direcionamento de atividades diversas, que permitirão a aplicação, a consolidação do novo saber apresentado e, por fim, a correção das atividades. Quando um conteúdo for mais extenso, mais de uma trilha de aprendizagem poderá ser utilizada para atender à necessidade.

Neste cenário novo, é importante frisar que toda a comunidade escolar está em processo de aprendizagem sobre como se posicionar neste formato de ensino. Assim, estamos à disposição para auxiliar alunos e seus responsáveis, no que for possível.

 

 

3. ORIENTAÇÃO AS AULAS AO VIVO (ZOOM MEETING)

      

É importante lembrar que a sala de aula virtual é um ambiente regido por normas de respeito e boa convivência, da mesma maneira que uma sala de aula presencial. Assim, destacamos alguns critérios a serem observados pelos alunos e pelo(s) adulto(s) que acompanham ou estão próximos ao local onde o aluno está assistindo a aula ao vivo:

 

  • O link de acesso a aula on-line é EXCLUSIVO, para alunos matriculados na escola Adventista (não se deve compartilhar com ninguém o número da sala de aula, para que somente alunos tenham acesso ao ambiente virtual;
  • Estar devidamente vestido ao participar das aulas on-line (atentar para que familiares não passem atrás da câmera do aluno com trajes inadequados);
  • A câmera de vídeo do aluno deverá permanecer ligada todo o tempo da aula, para que a frequência da aula seja validada e para que nos certifiquemos de que não há ninguém que não seja aluno presente no ambiente. Tivemos uma ocorrência em que um aluno compartilhou o endereço da sala com alguém que não era matriculado em nossa escola. Com a câmera ligada, o professor pode, imediatamente, remover não-alunos que eventualmente entrarem na sala de aula virtual;
  • Havendo a necessidade de se ausentar da aula por alguns momentos, o aluno deverá informar o professor, da mesma maneira como na aula presencial;
  • Manter o microfone desligado sempre. A exceção deve ser o momento em que o aluno for participar da aula com sua opinião ou outro. As conversas paralelas poderão captadas pelo microfone do computador ou smartphone e ouvidas pelos demais participantes da aula virtual, quando este estiver ligado, podendo causar interferência na aula e, eventualmente, algum constrangimento;
  • O horário de aula virtual precisa ser respeitado pelo aluno e seus familiares;
  • Caso a algum familiar “precisar” corrigir a postura do filho, que o faça em momento posterior à aula, e se necessário, durante o andamento da aula, que o faça com discrição, para que o aluno não seja exposto diante dos demais colegas;
  • Será um prazer atender os pais para tirar dúvidas ou ouvir sugestões. No entanto, solicitamos que esse contato com a escola ou o professor JAMAIS aconteça durante uma aula ao vivo.

 

4.  SISTEMA DE AVALIAÇÃO

      

É muito importante que o sistema de avaliação seja bem esclarecido, uma vez que é por meio dele que será medido o nível de aprendizagem dos alunos a cada bimestre.

 

A. Educação Infantil

 

A Educação Infantil tem por critério estabelecido no Regimento Escolar da Rede Adventista Norte, no Art. 123, parágrafo único: “Na educação infantil o registro da avaliação dar-se-área por parecer descritivo em cada unidade letiva, sobre o desenvolvimento do educando, a ser emitido pelo próprio educador, considerando os aspectos qualitativos acumulados ao longo do processo de ensino e aprendizagem, desde que haja a frequência mínima de 60% para a Educação Infantil”.

 Seguindo o regimento, a Educação Infantil, mesmo na modalidade remota, continuará respeitando o regimento. As atividades propostas pelo professor e desenvolvidas pelos alunos com a tutoria dos responsáveis serão utilizadas para medir o desenvolvimento e ganho das habilidades definidas como referencial para construção parecer descritivo bimestral do desenvolvimento da criança.

A plataforma E-CLASS e as aulas on-line são os meios oficiais ofertados pela rede adventista para compartilhar os novos saberes e orientar os pais e/ou responsáveis sobre como conduzir as atividades em casa.

Aplicativos, como o WhatsApp, também podem ser utilizados para informar e direcionar os responsáveis sobre a rotina de atividades do aluno.

Para casos excepcionais, onde não há acesso à internet, a escola atenderá de modo individualizado.

 

 

B. Ensino Fundamental 1, 2 e Médio

 

Para este momento emergencial, a Rede Adventista de Ensino cumprirá o que estabelecem as resoluções dos conselhos de educação dos Estados, como por exemplo:

 

  1. Para o Estado do Pará, Resolução 102/2020 – Art. 3º inciso IV: “Organizar avaliações dos conteúdos ministrados durante o regime de aulas não presenciais, para serem aplicados na ocasião do retorno às aulas presenciais”;
  2. Para o Estado do Maranhão, Resolução 94/2020 - Art. 5º: “A avaliação dos conteúdos ministrados durante o período de aulas não presenciais, deve ser realizada na ocasião do retorno das aulas presenciais, após cessada a excepcionalidade, levando em conta as normas regimentais da instituição”;
  3. Para o Amapá, utilizaremos as mesmas recomendações.

Assim, por ocasião do retorno das aulas presenciais, seguindo direcionamentos posteriores dos conselhos estaduais de educação, a unidade escolar convocará um “CONSELHO EXTRAORDINÁRIO” para analisar o processo de ensino remoto, a questão do processo avaliativo e de recuperação, para estabelecer como e quando as avaliações serão realizadas. O processo avaliativo extraordinário para o ensino domiciliar será amplamente divulgado pela unidade escolar. Assim, as notas do 1º e 2º Bimestres serão concluídas somente após ocorrerem as avaliações presenciais.

Durante o período do ensino remoto (domiciliar), as atividades contempladas nas trilhas de aprendizagem e postadas no E-CLASS serão utilizadas para compor a nota da AVALIAÇÃO FORMATIVA/ CONTÍNUA, que é o terceiro instrumento de avaliação da aprendizagem utilizado por nossa instituição (temos, ao todo, três instrumentos avaliativos, conforme já apresentado no boletim Saiba + do primeiro bimestre).

 

 

5. REGISTRO DE FREQUÊNCIA

 

Sobre o registro de frequência, também seguiremos as normativas estabelecidas nas resoluções dos conselhos estaduais de educação:

 

  1. Para o Estado do Pará, conforme Resolução 102/2020 – Art. 3º: “Para

atender as demandas do atual cenário (...) as unidades escolares privadas terão as seguintes atribuições para execução do regime especial de aulas não presenciais”, dentre elas o Inciso III, “zelar pelo registro da frequência dos alunos, por meio de relatórios e acompanhamentos da evolução nas atividades propostas”.

  1. Para o Estado do Maranhão, conforme a Resolução 94/2020 – Art. 2º,

inciso VI, §1º: “As instituições de ensino devem estabelecer metodologias de apuração de frequência de aulas não presenciais”;

  1. Para o Amapá, utilizaremos as mesmas recomendações.

Desta forma, a presença nas aulas on-line, realizadas pela ferramenta Zoom Meeting e a entrega das tarefas pelos meios direcionados na Trilha de Aprendizagem serão os instrumentos utilizados pela Rede Adventista de Ensino para mensurar a frequência dos alunos.

 

6.  CALENDÁRIO

      

Vamos às datas mais importantes do segundo bimestre (com adaptações tendo em vista a pandemia):

 

 

ABRIL

20

Início do 2º bimestre

2024

Entrega das Ementas de Curso do 2º Bimestre aos Alunos (Ensino Fundamental 2 e Médio)

Divulgação do “Saiba +” (Datas mais importantes do bimestre, quadro de avaliações e conteúdos)

21

Feriado Nacional - Tiradentes

22

Dia do Descobrimento do Brasil

24

Dia de Oração Escolar

29

Conselho de Classe Bimestral (acompanhamento do ensino remoto).

2730

Orientação Vocacional (Ensino Médio)

 

MAIO

01

Feriado Nacional – Dia do Trabalho

15

Challange Day do projeto “Vida e Saúde”, com tema “Luz Solar”

13

Dia da Abolição da Escravatura

Dia de Oração Escolar

 

JUNHO

01

Conselhos de Classe

05

Dia Mundial do Meio Ambiente

11

Feriado Nacional – Corpus Christi

25

Dia de Oração Escolar

30

Término do 2º Bimestre

 

 

7. VALIDAÇÃO DAS HORAS LETIVAS CUMPRIDAS EM MODO REMOTO

 

 Os itens acima apresentados (1 ao 6) têm em vista o cumprimento dos requisitos para que os conselhos estaduais de educação validem as horas letivas cumpridas em modo remoto/ domiciliar, o que deve ser um processo minucioso e com muitas exigências.

 

A Educação Adventista já entrou em contato com os documentos que regem os procedimentos que devem ser adotados, a fim de garantir que o ano letivo de 2020 será validado, especialmente no que tange ao cumprimento das 800 horas letivas obrigatórias. Cada detalhe está sendo levado em consideração e todos os registros obrigatórios estão sendo efetuados. Trabalharemos para que seja ofertada uma carga horária superior às 800 horas, para que estejamos bem protegidos e nossos alunos atendidos.

 

 Até aqui, temos nos sentido amparados e valorizados pelos conselhos estaduais de educação, que vêm enaltecendo a forma organizada e sistemática como a Educação Adventista tem gerido os procedimentos envolvendo tecnologias e novas metodologias de ensino, para que os alunos sejam atendidos da melhor forma possível nesse contexto de pandemia, enquanto tantas instituições de ensino têm vivido grandes dilemas para atender tal demanda, inclusive antecipando férias, o que somente irá tardar o momento em que terão que apresentar uma proposta de ensino remoto/ domiciliar, pois o distanciamento social persiste, sem data para ter um final.

 

8. SOBRE A MANUTENÇÃO DO VALOR DAS MENSALIDADES

 

 Temos acompanhado de perto o movimento promovido por classes políticas que querem se aproveitar do momento para angariarem mais popularidade, propondo projetos de lei recheados de inconstitucionalidade, inflamando alguns grupos da comunidade de pais contra a manutenção dos custos da prestação de serviços educacionais.

     A realidade com a suspensão das aulas presenciais varia muito, das instituições que foram capazes de seguir o ano letivo de forma remota àqueles estabelecimentos que ficaram totalmente impossibilitados de qualquer atendimento on-line.

A Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon), vinculada ao Ministério da Justiça e Segurança Pública, divulgou nota técnica (n.º 14/2020/CGEMM/DPDC/SENACON/MJ) recomendando que os consumidores evitem cancelar ou pedir descontos em mensalidades de instituições de ensino que tiveram as aulas suspensas em razão do novo coronavírus (covid-19).

Essa orientação parte do pressuposto que o sistema educacional funciona por ano letivo, ou seja, o contrato envolve um cronograma de horas/aulas e disciplinas que devem ser cumpridas no ano, sendo um contrato pelo valor total, parcelado em 12 vezes, que resulta na mensalidade.  Assim, conforme orientação, diante da possibilidade de manutenção do ano letivo utilizando o método remoto/ domiciliar, não é recomendada pela Senacon uma discussão do contrato neste momento.

Certamente um dos pontos mais polêmicos é sobre a qualidade do ensino à distância e a sua manutenção do preço.

 

Se por um lado,

 

  1. As aulas foram contratadas para serem presenciais e passaram a ser

disponibilizadas on-line;

  1. Ocorre uma necessidade de parceria junto aos pais quanto à

responsabilidade pela disciplina dos filhos no acompanhamento das aulas, exigindose mais da família;

  1. Os cursos on-line geralmente são mais baratos que os cursos presenciais.

Por outro lado, 

 

  1. Juridicamente, o coronavírus é um evento de força maior e temporário, o

qual exclui culpa das instituições de ensino por não ofertarem as aulas presenciais;

  1. Trata-se de uma disruptura que exige adaptação de todos, razão pela qual,

mesmo o curso de melhor qualidade pode sofrer com o período de transição;

  1. Os preços dos cursos EAD geralmente são mais baratos por atingirem um público muito maior, sem a necessidade de espaço físico, o que não ocorre com as turmas escolares do modo presencial, ora essa funcionando de modo remoto/ domiciliar. 

o A quantidade de alunos é a mesma, a quantidade de professores também é

a mesma (sem redução de jornada, para que o atendimento de qualidade seja garantido – muitas instituições optaram pela gravação de aulas por um professor de cada disciplina, com dispensa aos todos os demais, o que não é o caso da Educação

Adventista), 

o Os custos com segurança, limpeza e energia elétrica dos prédios permanecem (no caso da energia elétrica, contratada por demanda, permanece a mesma, mesmo nesse momento com menor uso – uma redução no valor contratado junto às concessionárias dependeria de as concessionárias obterem uma redução do valor contratado junto à ANEEL); o Acrescenta-se também o fato de que o desenvolvimento e manutenção da

plataforma E-CLASS, bem como contratação dos servidores para suporte dos dados nos Estados Unidos, trouxe uma despesa não orçada, no caso da Educação

Adventista; o Acrescenta-se também o fato de que tivemos que auxiliar muitos professores que não tinham internet de qualidade e com pacote ilimitado, para realizar o atendimento remoto.

d) É importante ter um olhar mais amplo, uma vez que os alunos passam a ter

contato mais cedo ao que viriam presenciar futuramente com cursos EAD ou mesmo o trabalho remoto (no ápice de sua expansão), configurando mais um aprendizado importante ao aluno. Destaca-se o fato de que o novo Ensino Médio comportará até 20% de sua carga horária à distância.

Pela conjuntura, podemos concluir, conforme visão compartilhada pela Senacon, que a simples alteração das aulas presenciais para aulas online não ensejam por si só uma revisão contratual. Como Educação Adventista temos sido bastante responsáveis quanto ao gerenciamento dos recursos provenientes das mensalidades, especialmente porque, como instituição filantrópica, não temos fins lucrativos (legalmente, 100% dos recursos que ingressam devem ser empregados no projeto educacional e a planilha de custos deve estar sempre atualizada). 

 

9. ESCOLA EM CASA – DICAS PARA ORGANIZAR OS ESTUDOS DOS FILHOS 

Permanecer em casa é a orientação dos governos estaduais para administrar o contexto de contágio do COVID-19. As escolas, seguindo o direcionamento dos órgãos competentes, suspendeu as aulas presenciais. Sabemos que é difícil administrar este novo cenário onde pais precisam ser tutores de seus filhos, relacionamos, então, algumas dicas que podem ajudar:

 

A. Elaborar uma agenda colaborativa

Os pais, na maioria dos casos, estão trabalhando em casa e isso os coloca no mesmo espaço e tempo (entre si e com os filhos). Além disso precisam inserir a agenda de aulas on-line e atividades escolares dos filhos dentro do seu conjunto de afazeres. Para que a rotina funcione bem, estabeleçam um planejamento que contemple o horário de trabalho dos adultos com as atividades dos filhos ao longo do dia, especificando quem será responsável pela tutoria do filho, em cada período.

 

B. Estar ciente da trilha de aprendizagem da semana

Acompanhem as informações e notificações que o professor regente (Ensino Infantil e Ensino Fundamental 1) ou o professor por disciplina (Ensino Fundamental 2 e Ensino Médio) disponibiliza na plataforma E-CLASS. As escolas também estão notificando a presença de atividades da trilha de aprendizagem por meio de mensagens no WhatsApp. Fiquem atento para orientar seu filho.

 

 C. Definir o espaço de estudo de seu filho

É preciso que fique claro que determinado espaço é o local onde todos os dias, a rotina escolar vai acontecer. O local deve ser, na medida do possível, arejado, com boa iluminação e com condições para que seu filho realize a proposta educacional ofertada pela escola.

 

D. Definir as regras sobre postura, vestimenta e responsabilidade

Expliquem a seu filho a rotina, os horários de atividades e aulas on-line conforme direcionamento da escola. Instruam a vestir roupa adequada, evitando permanecer com pijama. Conversem com seu filho, explicando que o ambiente virtual da sala de aula on-line está regido por regras de respeito ao professor e aos demais colegas que participam da aula. O linguajar e o tom de voz devem ser apropriados por todos que estiverem no ambiente onde o aluno está desenvolvendo suas atividades escolares.

 

E. Respeitar as datas de entrega das atividades 

É importante realizar as atividades dentro dos prazos. Evitem que seu filho deixe para fazer tarefas, trabalhos e pesquisas em momento futuro para não acumular atividades e provocar um estresse no ambiente familiar.

 

F. Respeitar a rotina e suas pausas para descanso e lazer

Depois de definir a rotina de estudos com seu filho e sua própria rotina de atividades, permaneçam atento para os momentos em que devem encerrar estas atividades. Permanecer em casa continuamente pode levar as pessoas a “emendarem” uma atividade após a outra, retirando o tempo para o convívio social, lazer e repouso, que são necessários para manter a saúde física e mental.

 

 G. Determinar um momento para tomar sol e praticar exercício físico

Aproveitem o tempo que dispensaria com o deslocamento para o trabalho/escola para praticar uma atividade física em família, de preferência em ambiente aberto, com luz solar. Podem ser exercícios simples, que exijam pequeno espaço.

 

H. Lembrar-se da paciência, flexibilidade e resiliência

Em momentos atípicos e emergenciais como o que vivemos, as pessoas bem-sucedidas serão aquelas que entendem e aceitam suas fragilidades, porém, com paciência e resiliência procuram entender os desafios do dia e com flexibilidade buscam novos caminhos para superarem estes desafios.

 

10. FINALIZANDO

      

 Queremos concluir esse boletim informativo bimestral SAIBA + dizendo que estamos com muitas saudades - muitas mesmo. Estamos fazendo o nosso melhor durante esse período inusitado, incômodo e surpreendente, mas, não há nada que se compare à escola movimentada, com crianças correndo, sorrindo, alunos se abraçando, professores se movendo, projetos se realizando. 

 

Essa visão passa a ser, para nós, motivo de cumprirmos nossa missão agora, com dedicação, fazendo uso dos recursos disponíveis, envolvendo educadores das mais diferentes faixas etárias (e tem sido lindo ver os mais experientes aprendendo mais sobre tecnologias e vibrando com essa possibilidade de continuarem contribuindo), com toda a garra, afinal, nossos sonhos de ensino e de aprendizagem não entram em quarentena. Jamais. E é em momentos assim que os verdadeiramente grandes se agigantam. E nós queremos ser gigantes com vocês, por vocês e para vocês. Porque Educação Adventista é ir “Muito Além do Ensino”, é “Cativar”, é preparar gente da gente para ser melhor aqui e para viver para sempre com Jesus, onde nós seremos eternos!